Fragmites (Phragmites australis (Cav.) Trin ex Steud.)

flora silvestre portuguesa

Espécie: Phragmites australis (Cav.) Trin ex Steud.
Divisão: Magnoliphytas
Classe: Liliopsidas
Ordem: Poales
Família: Poaceae (gramíneas)
Sinonímia: Phragmites communis Trin.; Phragmites vulgaris Samp.
Nomes comuns: Fragmites, caniços.
English name: Common reed.

Paisagens bíblicas nas arribas europeias…

Identificação: Muito semelhante ao Arundo donax, é, porém, mais delgada. Cresce até à altura de 3,5, raramente 4m. Os colmos são finos (cerca de 2 cm de diâmetro). Possui folhas estreitas, erectas, lanceoladas e sésseis, glabras e com bainha. As flores, de um tom rosado, surgem numa panícula terminal.

Tipo fisionómico: Caméfito.

Distribuição: Cosmopolita.

Habitat: Ruderal e ripícola. Surge nas margens de caminhos, em arribas e pântanos (como estabilizador de solos), em campos de cultivo ou incultos.

Floração: Julho-Setembro.

Princípios activos: Açúcares, proteínas, hidratos de carbono, fibras, vitaminas, minerais e flavonóides.

Propriedades: Anti-asmática, diurética, depurativa, febrífuga, anti-emética e anti-tússica. O caule é um bom antipirético. A decocção das flores é prescrita em caso de intoxicação alimentar, sobretudo a causada por marisco. A raiz é anti-asmática, antiemética, depurativa, sedativa, estomáquica e anti-tússica.

Usos: Alimentar e terapêutico. As raízes podem ser cozidas, assim como os rebentos jovens, ou farinadas. Os caules são muito semelhantes aos do bamboo. Ainda como alimento, dos caules obtém-se açúcar e dele fazem-se rebuçados. As folhas são utilizadas em casos de bronquite e cólera. Quando reduzidas a cinzas, são aplicadas sobre inchaços. A planta é usada em casos de gastroenterite, vómitos, diarreia, dispepsia, intoxicações por marisco ou peixe, tosse com expectoração, infecções urinárias e pulmonares, halitose, e dores de dentes.

Curiosidades: As raízes devem ser colhidas no Outono e postas a secar para serem usadas mais tarde.

Na Rússia, as raízes das fragmites são bastante usadas como farinha em conjunto com outros cereais, enquanto no Japão existe o costume de secar as folhas, reduzi-las a pó e misturá-las com outros cereais para panificação ou uso gastronómico.

Para além dos usos alimentares e terapêuticos, as fragmites são literalmente pau para toda a obra, servindo na construção civil, na produção de papel e de furfurol, em cestaria, na produção de corda, na estabilização dos solos, em tinturaria e ainda como biomassa e fertilizante.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Poáceas com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Fragmites (Phragmites australis (Cav.) Trin ex Steud.)

  1. Pingback: Poaceae (Poáceas/Gramíneas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s