Calêndula (Calendula officinalis L.)

flora silvestre portuguesa

Espécie: Calendula officinalis L.
Divisão: Magnoliphytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Sinonímia: Calendula officinalis L. var. prolifera
Nomes comuns: Boas-noites, calêndula, maravilhas.
English names: Marigold, english marigold.

O seu cultivo intensivo na Rússia para fins medicinais, valeu-lhe a alcunha de «penicilina russa»

Identificação: Herbácea anual ou bianual, de aproximadamente 40 cm de altura, de folhas verde-claras, subsésseis e lanceoladas, de margem irregular, vilosas e muito macias. Famosa como planta de jardim pelos seus capítulos de um tom cor-de-laranja intenso, de margens petalóides, de cerca de 5 cm de diâmetro e de aroma igualmente acentuado. O seu fruto é uma cipsela, cujo aquénio apresenta margens encurvadas com dentículos dorsais.

Tipo fisionómico: Terófito.

Distribuição: Eurásia. Encontra-se em praticamente todo o mundo como planta ornamental.

Habitat: Relvados húmidos, jardins, mais raramente como ripícola.

Floração: Desde o início da Primavera até ao início do Inverno.

Princípios activos: Carotenóides, triterpenos, saponinas, quercitina, hiperósido, rutina, óleo essencial, ácido clorogénico, álcoois triterpénicos, entre eles o calenduladiol, calendulósidos, calendulina (resina) e mucilagens.

Propriedades: Anti-séptica, antimicótica, cicatrizante, antiespasmódica, relaxante muscular, anti-viral, anti-hemorrágica, emoliente, antipirética e condimentar.

Partes usadas: Folhas e capítulos.

Usos: Como anti-hemorrágica, antimicótica e cicatrizante, é usada externamente sobre feridas (tintura), hemorroidal e eczema. Internamente (infusão), é usada como antipirética, em gripes e constipações, úlceras estomacais, dores de garganta e inflamações das glândulas linfáticas. Em compressas, é aplicada contra a conjuntivite, e em creme é usada em ulcerações das mucosas vaginais, como protector solar e anti-fúngico (acne e pé-de-atleta). A tradição popular prescreve-a igualmente como anti-rugas. Em gastronomia, as pétalas servem para aromatizar saladas, já que o seu paladar se assemelha ao do açafrão.

Curiosidades: As virtudes da calêndula são conhecidas desde a Antiguidade, tanto na Europa como na Índia e no Médio Oriente. Observando o seu poder medicinal, depressa se conclui a razão de ser ainda hoje cultivada em larga escala na Rússia e considerada como «penicilina».

Para além de ser muito usada como ornamental, a calêndula é aplicada como fixador em perfumaria.

A erva-vaqueira (Calendula arvensis), espécie afim, pode em alguns casos substituir a calêndula. Em Portugal encontram-se ainda as espécies C. microphylla, planta rupícola da Beira Litoral, a C. lusitanica, edafoxerófila do centro, a C. algarbiensis, habitante igualmente edafoxerófila da Estremadura e do Sul, e a C. tomentosa, apenas existente no Cabo de São Vicente.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Asteráceas com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Calêndula (Calendula officinalis L.)

  1. Pingback: Asteraceae (Asteráceas/Compostas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s