Cardos (Carduus spp.)

flora silvestre portuguesa

Espécie: Carduus pycnocephalus L.
Divisão: Magnoliphytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Sinonímia: Carduus acanthoides sensu Brot., non L.; Carduus pycnocephalus L. subsp. tenuiflorus (Curtis) Arènes.
Nomes comuns: Cardo-azul, falsa-erva-do-anil, cardo-anil.
English name: Slender thistle.

Encontram-se com frequência em ruderais, ruínas, bordaduras de bosques e em contos de fadas…

Identificação: A espécie Carduus tenuiflorus é uma das mais comuns em Portugal. Herbácea de crescimento erecto, folhas superiores muito recortadas e inferiores mais largas, de margens e caules muito ásperos, distingue-se pelos seus capítulos cimeiros lilases, de receptáculo alongado, agrupados em corimbo na extremidade do caule e são sésseis, ou seja, desprovidos de pedúnculo, facto que o distingue do C. pycnocephalus, outra das espécies que podemos observar com frequência.

Tipo fisionómico: Terófitos/hemicriptófitos.

Distribuição: Europa, bacia do Mediterrâneo.

flora silvestre portuguesa

Nome latino: Carduus tenuiflorus Curtis.
Divisão: Magnoliphytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Sinonímia: Carduus galactites Lam.
Nomes comuns: Cardo-comum, cardo-roxo.
English names: Italian thistle, Plymouth thistle.

Habitat: Ruderais, margens de caminhos e de bosques,  ruínas, locais soalheiros ou de sombra parcial. Em geral, os cardos preferem solos porosos e leves, mas ricos em nitratos.

Floração: Primavera/Verão.

Princípios activos: Quase todos os cardos apresentam um teor de potássio considerável, mas não tóxico, princípio amargo (cinarina), luteolina, quercitina e apigenina, frutose e ácido clorogénico.

Propriedades: Diuréticos, colagogos, hepatoprotectores, coleréticos e muito melíferos.

Partes usadas: Capítulos e folhas (retirados os espinhos).

Usos: Usados contra a diabetes e as doenças do fígado e da vesícula (icterícia). Consumido sob a forma de decocção.

Curiosidades: Os cardos são das flores mais procuradas pelas abelhas e dão origem a um mel de elevada qualidade, cujas características medicinais são semelhantes às da planta em si. O mesmo se pode dizer dos licores com eles aromatizados.

Símbolos da eternidade, Os cardos surgem muitas vezes em contos medievais como morada de fadas e duendes que neles se escondem ou que deles se servem para confundir os humanos.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Asteráceas com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Cardos (Carduus spp.)

  1. Pingback: Asteraceae (Asteráceas/Compostas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s