Eupatório (Eupatorium cannabinum L. ssp. cannabinum)

flora silvestre portuguesa

Espécie: Eupatorium cannabinum L. ssp. cannabinum.
Divisão: Magnoliphytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae (compostas)
Sinonímia: Não encontrada.
Nomes vernáculos: Eupatório, eupatório-de-avicena, trevo-cervino
English name: Hemp agrimony.

De folhas e flores extremamente perfumadas, este parente da agrimónia, do qual se diz que só as cabras o comem, é uma planta especial, um poderoso elixir que a Natureza coloca à disposição de quem com ele sabe lidar, já que o seu humor é incerto e os seus poderes algumas vezes contraditórios…

Identificação: Herbácea perene, de aproximadamente 1,5 m de altura, de caules rosados/avermelhados ramificados, apresenta folhas alternas, glabrescentes, lanceoladas, de ácie longo e acuminado e margens irregularmente serradas/dentadas. As flores são rosadas, claras, agrupadas em corimbos terminais. O fruto é um aquénio.

Tipo fisionómico: Caméfito.

Distribuição: Comum em quase toda a Europa, com excepção do extremo Norte.

Habitat: Frequentadora de solos ripícolas e calcícolas, encontramo-la por vezes em falésias, ruínas e ruderais.

Floração: Junho-Setembro.

Princípios activos: Flavonóides, alcalóide perrolizidínicos, vitamina C e óleos voláteis.

Propriedades: Anti-tumoral, anti-escorbútica, laxante, colagoga, depurativa, diurética, diaforética, emética, tónica, vulnerária antipirética e expectorante.

Partes usadas: Folhas e capítulos floridos.

Usos: O uso do eupatório requer certos cuidados de dosagem, pelo que apenas deverá ser empregue por especialistas, uma vez que os alcalóides que contém podem provocar vómitos, daí tornar-se emética e hepatotóxica. Tomada em excesso e durante longos períodos, pode desencadear graves problemas de fígado e vesícula, inclusivamente o cancro; porém, se tomada em pequenas doses é eficaz a tratar desordens hepáticas. Como laxante/purgante, não provoca irritação da flora intestinal. É utilizado no tratamento de tumores e doenças virais (pneumonias, gripes, etc.). Esta planta é considerada «rainha das desintoxicantes», uma vez que alia propriedades laxantes e diuréticas, isto porque a maioria dos diuréticos tende a secar a flora intestinal e a provocar obstipação. Poderá ser tomada em infusão ou extracto fluido. Em cremes, tinturas e cataplasmas é um excelente cicatrizante e emoliente

Curiosidade: O eupatório, hoje caído em esquecimento, foi uma das plantas mais utilizadas durante a Antiguidade, Idade Média e Renascimento. Muitas vezes considerado a «equinácea europeia», tradicionalmente era empregue como fortalecedor do sistema imunitário, e as suas folhas eram colocadas sobre o pão para impedir que este ganhasse bolor, numa época em que as fornadas eram feitas com intervalos de tempo muito longos.

Diversos autores, como Boerhaave (1668-1738) e Tournefort (Materia Medica, 1708), citam o eupatório como purgante e vermífugo, capaz de curar doenças como a hidropsia, escorbuto, úlceras e tumores.

Ainda hoje é bastante usado nas zonas rurais da Holanda como cataplasma para inchaços e contusões.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Asteráceas com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Eupatório (Eupatorium cannabinum L. ssp. cannabinum)

  1. Pingback: Asteraceae (Asteráceas/Compostas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s