Canabrás (Heracleum sphondylium L.)

flora silvestre portuguesa

Espécie: Heracleum sphondylium L.
Divisão: Magnoliophytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Apiales
Família: Apiáceas (umbelíferas)
Sinonímia: Não encontrada.
Nome comum: Branca-ursina, canabrás, canabraz, esfondílio.
English name: Cow parsnip.

Gigantesca, robusta, protectora, esta umbelífera parece albergar todo um reino mágico na sombra feérica das suas folhas.

Identificação: Ultrapassa com frequência os 2,5 metros de altura, de caule oco e canelado, até 15 cm de diâmetro e muito ramificado. As folhas, bainhadas, são de enormes dimensões (mais de 60 cm), profundamente recortadas, crenadas ou serradas e pubescentes com segmentes dentados. As flores brancas ou rosadas, hermafroditas ou masculinas, bracteadas, de cinco pétalas desiguais, organizam-se em umbelas de aproximadamente 20 cm de diâmetro com 10-32 raios. Os frutos são mericarpos de cerca de 8mm, ovóides e espalmados.

Tipo fisionómico: Terófitos/hemicriptófitos.

Distribuição: Europa, Ásia. Ruderal, ripícola, surge nas orlas dos bosques e nas margens ribeirinhas.

Floração: Maio/Setembro.

Princípios activos: A raiz é rica em hidratos de carbono. Mais rica em furanocumarinas quando jovem, pode tornar-se fotossensibilizante. Contém n-octylacetato, pimpinelina e isopimpinelina.

Propriedades: Hipotensiva, expectorante, tónica, aromática e sedativa.

Partes usadas: Frutos rizomas.

Usos: Os frutos são muito empregues como aromatizantes de bolos e bebidas alcoólicas. Historicamente já foram usados em tisanas para a memória e como antidepressivo. No Renascimento entrou na produção do bartszez polaco, uma bebida semelhante à cerveja e que hoje em dia se tornou rara.

Curiosidades: As sementes e as raízes cozidas eram friccionadas na testa dos doentes mentais, uma vez que se cria que o canabrás era capaz de curar a loucura ou atenuá-la. As raízes cozidas eram igualmente empregues em xaropes para a tosse e epilepsia, e ainda aplicadas em cataplasmas sobre abscessos. Misturadas com arruda usavam-se para afastar a sonolência. Algumas tribos indianas ainda utilizam o canabrás contra a dor de cabeça.

Na Sibéria, os pecíolos secos eram usados como açúcar e as folhas cozidas com sal eram mesmo consideradas uma iguaria. O seu consumo no norte da Eurásia não produz fotossensibilidade dadas as condições de fraca intensidade solar nesses locais.

Planta consagrada a Hércules, dada a sua imponente envergadura, o nome sphondilium significa “vértebra” em Grego, possivelmente pelo facto de rebentar do caule.

Ainda hoje o canabrás é bem conhecido na Escandinávia como afrodisíaco.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Apiáceas com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Canabrás (Heracleum sphondylium L.)

  1. Pingback: Apiaceae (Umbelíferas/Apiáceas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s