Urtiga-morta (Mercurialis ambigua L.)

flora silvestre

Espécie: Mercurialis ambigua L.
Divisão: Magnoliphytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Euphorbiales
Família: Euphorbiaceae
Sinonímia: Mercurialis annua ssp.ambigua (L.f.) Arcang.
Nomes vernáculos: Urtiga-morta, basalho, barredoiro, urtiga-bastarda, erva-mercúrio, mercurial.
English name: Dead nettle.

Com a urtiga partilha apenas o nome, mas dela diz-se que está morta. Não possui espinhos urticantes nem tão-pouco é vilosa; nada há em si que desperte a nossa atenção. Não fossem as suas propriedades medicinais, talvez nem déssemos pela sua presença, quieta, serena, por entre as fissuras dos muros e nas bermas dos caminhos.

Identificação: Herbácea monóica, de raiz fibrosa, de crescimento erecto até cerca de 50 cm e ramificado. As folhas são simples, lanceoladas, glabras, por vezes ligeiramente pubescentes, mas nunca urticantes, de margem serrada ou crenada. As minúsculas flores verde-pálidas formam rácimos pedunculados. O fruto é uma cápsula.

Tipo Fisionómico: Terófito.

Distribuição: Com origem na Europa central, é actualmente sub-cosmopolita.

Habitat: Rupícola. Podemos encontrá-la em ruínas, muros, margens de caminhos, ruderais e bordaduras de bosques.

Floração: Dezembro-Setembro.

Princípios activos: Mercurialina, sais minerais.

Propriedades: Comestível, emoliente, emética, oftalmológica, purgativa, algo tóxica.

Partes usadas: Folhas.

flora silvestreUsos: O suco é purgativo, emético, empregue em dores reumatismais, problemas hepáticos, pancreáticos, oftalmológicos e auditivos. A toxicidade desta planta é atenuada ou mesmo anulada pela cozedura, pelo que as suas folhas podem ser consumidas em sopas.

Curiosidades: Das oito espécies de Mercurialis existentes na bacia do Mediterrâneo, talvez a M. perenne seja a mais tóxica.

A M. ambigua, aqui representada, rompe com os cânones sexuais estabelecidos para o seu género, pelo que apresenta no mesmo exemplar flores de ambos o sexos, o que a torna monóica, em oposição às suas congéneres dioicas. As flores masculinas surgem em glomérulos e são muito numerosas, enquanto as femininas são axiais e acham-se em menor número.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Euforbiáceas com as etiquetas , , . ligação permanente.

Uma resposta a Urtiga-morta (Mercurialis ambigua L.)

  1. Pingback: Euphorbiaceae (Euforbiáceas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s