Rosmaninho (Lavandula stoechas L. var. luisieri)

flora silvestre portuguesa

Espécie: Lavandula stoechas L. var. luisieri
Divisão: Magnoliophytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Lamiales
Família: Lamiaceae
Sinonímia: Não encontrada.
Nomes comuns: Rosmaninho, rosmarinho, lavanda.
English name: French lavender.

Habitante de solos calcários e pobres, clareiras e matos xerófilos, o rosmaninho conquistou fama pelo seu aroma anti-depressivo que lhe confere um carácter mágico. As abelhas e os perfumistas conhecem bem esta planta que cresce sob a égide do Sol.

Identificação: Herbácea de crescimento erecto, até cerca de 70 cm de altura, de caules fibrosos e raízes lenhosas. Apresenta folhas opostas, estreitas, lineares a lanceoladas, de tonalidade verde-clara, por vezes quase branca. As flores brotam em espigas muito compacta, são bilabiadas e violáceas ou arroxeadas.

Tipo Fisionómico: Nanofanerófito.

Distribuição: Europa mediterrânica e ocidental.

Habitat: Terrenos incultos, escarpas e solos calcários. Dá-se bem em matos xerófilos.

Floração: Primavera.

Princípios activos: Cânfora e fenchona (cetonas), linalol e borneol, cumarinas, flavonóides.

Propriedades: Aromática, melífera, anti-depressiva, neurotónica, anti-asmática, anti-emética, digestiva, expectorante, anti-séptica e antiespasmódica.

Partes usadas: Flores.

Usos: Muito usada em perfumaria, embora a alfazema seja preferida. O seu aroma é anti-depressivo. Os seus óleos essenciais são digestivos, anti-eméticos, algo carminativos, expectorantes e anti-sépticos. A tintura de alecrim ou o seu óleo são eficazes na lavagem de feridas como vulnerários.

Mas o seu uso mais conhecido é apícola. O mel de rosmaninho é muito aromático, suave e claro.

Curiosidades: As defumações de rosmaninho são usadas desde a Antiguidade em rituais mágico-religiosos e em festas populares, a par do alecrim e da murta. Também em cosmética é usado no fabrico de colónias e sabonetes. As espigas floridas, à semelhança das da alfazema, devem ser colhidas mal acabem de abrir. Devem ser secas à sombra para que conservem todos os óleos essenciais, sendo que estes podem ser destilados.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Lamiáceas com as etiquetas , , . ligação permanente.

Uma resposta a Rosmaninho (Lavandula stoechas L. var. luisieri)

  1. Pingback: Lamiaceae (Labiadas/Lamiáceas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s