Sempre-noiva (Polygonum aviculare L.)

flora silvestre

Espécie: Polygonum aviculare L.
Divisão: Magnoliophytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Caryophyllales
Família: Polygonaceae
Sinonímia: Polygonum patulum auct. lusit.; P. heterophyllum; P. littorale; P. monspeliense Pers.
Nomes vulgares: Sempre-noiva, sanguinha, sanguinária, sempre-noiva-dos-modernos, centonódia, erva-das-galinhas, erva-da-muda.
English name: Knotweed.

Bela mas discreta, a sempre-noiva tem para oferecer muito mais do que os seus atributos decorativos. Para além do seu pouco usual carácter gastronómico, esta elegante espécie possui grande valor terapêutico e tintureiro.

Identificação: Podendo as suas hastes finas atingir a altura cerca de 50m, encontramo-la quase sempre vergada sobre a vegetação que a rodeia. As suas folhas estreitas, lanceoladas, de margem suave, dispõem-se alternadamente ao longo dos caules. As suas pequenas flores axiais branco-rasadas são hermafroditas.

Tipo Fisionómico: Terófito.

Distribuição: Ásia temperada e Europa.

Habitat: Ruderal e ripícola. Podemos encontra-la junto a cursos de água, clareiras de bosque, matagais, zonas costeiras.

Floração: Julho-Outubro.

Princípios activos: Ácido oxálico, ácido salicílico, hidratos de carbono, fibras e proteínas. A raiz contém, taninos.

Propriedades: Comestível, expectorante (seiva), febrífuga, hemostática, emética (sementes), colagoga, cardiotónica, vasoconstrictora (seiva), vulnerária, purgativa (sementes), adstringente, vermífuga e tintureira.

Partes usadas: Folhas, sementes e raízes.

Usos: Embora possa ser susceptível de causal fotossensibilidade em pessoas com tendência para a desenvolver, as folhas desta planta podem ser consumidas cozidas, mas em pequenas quantidades. Não deve ser consumida por quem sofra de doença renal crónica, gota ou reumatismo, devido à presença do ácido oxálico.

Sob a forma de tisana actua como vermífugo, febrífugo e expectorante. Usada em casos de hemorroidal, disenteria, icterícia, menorreia e doenças pulmonares. É também muito eficaz na dissolução de pedras renais, biliares e pancreáticas. Macerada em álcool pode ser utilizada topicamente em casos de varicose. De acordo com estudos recentemente desenvolvidos, a sempre-noiva é extremamente eficaz no tratamento da disenteria bacterial.

Curiosidades: Como planta tintureira, as folhas e a raiz da sempre-noiva fornecem três pigmentos distintos, o verde, o amarelo e o azul-anil, obtido a partir dos dois primeiros.

As sementes podem ser farinadas e usadas a par do trigo e de outros cereais em panificação e pastelaria.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Poligonáceas com as etiquetas , , . ligação permanente.

Uma resposta a Sempre-noiva (Polygonum aviculare L.)

  1. Pingback: Polygonaceae (Poligonáceas) | Herbalist

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s