Figueira-do-inferno (Datura stramonium L.)

Espécie: Datura stramonium L. Divisão: Magnoliophytas Classe: Magnoliopsidas Ordem: Solanales Família: Solanaceae Sinonímia: Não encontrada. Nomes comuns: Figueira-do-inferno, nogueira-do-inferno, pomo-espinhoso, datura-estramónio, castanheiro-do-inferno, erva-dos-mágicos, erva-dos-bruxos, figueira-brava, erva-do-diabo. English name: Thornapple.

Espécie: Datura stramonium L.
Divisão: Magnoliophytas
Classe: Magnoliopsidas
Ordem: Solanales
Família: Solanaceae
Sinonímia: Não encontrada.
Nomes comuns: Figueira-do-inferno, nogueira-do-inferno, pomo-espinhoso, datura-estramónio, castanheiro-do-inferno, erva-dos-mágicos, erva-dos-bruxos, figueira-brava, erva-do-diabo.
English name: Thornapple.

Ou datura-estramónio, nome que facilmente se presta a um trocadilho com «datura-demónio», ou não estivéssemos a falar de uma das mais míticas plantas que ensombraram a imaginação medieva e que conduziram homens de mulheres a infernos mentais e às fogueiras da Inquisição.

Identificação: Herbácea anual, glabra, de crescimento ramificado e erecto até cerca de 1m de altura, de folhas amplas, irregularmente dentadas e verde-escuras. As flores são gamopétalas, formando uma campânula branca de cinco vértices. O fruto é uma cápsula espinhosa e deiscente, que lembra a forma de uma noz, provida de inúmeras sementes negras. Toda a planta, quando esmagada, exala um odor desagradável e acre.

Tipo Fisionómico: Terófito.

Distribuição: Ainda que alguns dados apontem para Ásia Central, a sua origem é tão obscura como os efeitos da sua seiva no sangue humano. Actualmente cosmopolita.

Habitat: Escombros, margens de rios, de pântanos, ruderais, encostas, arribas, ruínas, bordaduras e clareiras de bosques.

Floração: Junho-Outubro.

Princípios activos: Alcalóides tóxicos anticolinérgicos (solanina, atropina, hiosciamina e escopolamina). Os níveis de nitrogénio do solo ditam a percentagem destes alcalóides em cada exemplar que nele cresce.

Propriedades: Alucinogénia, narcótica, hipnótica, psicoactiva, neurotóxica, vermífuga, antiespasmódica, anti-asmática, analgésica, anti-inflamatória, insecticida e bactericida. As sementes são a parte mais tóxica, sendo que apenas vinte podem causar a morte. A sua correcção farmacológica torna a hiosciamina, a atropina e a escopolamina princípios favoráveis ao tratamento de doenças mentais e neurológicas.

Partes usadas: Flores, folhas e frutos.

Usos: Para além dos usos mágicos e enteógenos que ao longo da História se lhe têm dado, a figueira-do-inferno tem mais para oferecer do que uma imagética infernal que expõe o ser humano aos seus temores mais íntimos, recalcamentos e falsas elaborações mentais paradisíacas. Recentemente, alguns dos seus alcalóides têm vindo a ser investigados como tratamento para a doença de Parkinson. A medicina popular prescreve o óleo dos seus frutos para tratamentos capilares contra a caspa e a alopecia. As folhas, colhidas durante a floração, bem como as sementes, podem ser empregues externamente em emplastros no tratamento de abscessos, fístulas, quistos dermóides, neuralgias persistentes e feridas. A defumação com as suas sementes é ideal para tratamento da asma.

Curiosidades: A datura é assaz útil no controlo de pragas em culturas biológicas, uma vez que funciona como repelente de insectos e bactericida. Alelopaticamente, esta planta é um dos poucos mecanismos naturais a que um agricultor pode recorrer para controlo do sorgo (Sorgus halepensis), quando este se torna infestante em hortas e cearas. Não deve, todavia, ser cultivada demasiado pertos das plantas que se quer preservar, visto que a hiosciamina libertada no solo é transformada em atropina e absorvida pelas raízes das outras plantas, enfraquecendo-as.

A Datura stramonium era um dos principais ingredientes da famosa «poção dos bruxos», que lhes permitia voar nos cabos das suas vassouras até às clareiras florestais onde o Sabbat tinha lugar. Tudo leva a crer que os relatos destes conciliábulos demoníacos extraídos, muitas vezes sob tortura, pelos inquisidores aos pretensos bruxos, não passavam de falsas memórias criadas pelo uso deste alucinogénio e pelo efeito de sugestão provocado pelas histórias fantásticas que circulavam no Limes da sociedade medieval, onde mito e realidade se fundiam num só conceito.

Em 1881, o químico alemão Albert Landenburg conseguiu isolar a escopolamina a partir da datura.

A palavra datura deriva do nome do veneno que esta planta contém, o chamado dhât, usado pelos membros da seita Thug, uma seita hindu composta por ladrões e assassinos em série que veneravam a deusa da Morte, Kali. Ainda hoje, esta planta é fumada juntamente com tabaco por ameríndios norte-americanos em rituais divinatórios e em transes xamânicos.

Entre os Araucanos, cultura da América do Sul (Chile), a datura é desde há milénios usada em ritos fúnebres e administrada em doses mínimas a crianças pequenas para, de acordo com o comportamento que desencadear, prever o seu futuro.

O «nepenthe» de que fala Edgar Allan Poe no seu célebre poema O Corvo, refere-se a uma beberagem imaginária feita com base neste alucinogénio em conjunto com algum opiáceo poderoso, que tinha em vista o esquecimento da mulher amada e inatingível, o mesmo «nepenthe» que Helena de Tróia recebera de Polidamna e que dera a Telémaco para que este esquecesse a angústia causada pela morte do pai. À letra, nepenthe significa em Grego «esquecer o sofrimento», e é citado diversas vezes na Mitologia Grega, nomeadamente na Odisseia de Homero. Era a poção mágica criada pela feiticeira Circe para revelar a verdadeira natureza dos homens e os subjugar; o seu antídoto foi dado por Hermes a Odisseu para que este resistisse aos ardis daquela feiticeira. Com o mesmo veneno, este herói dos mares untava a ponta das suas flechas e deste modo terá matado o ciclope Polifemo. Também durante a Idade Média, a datura era usada como veneno de guerra, o que faz suspeitar de uma continuidade.

Os transes divinatórios em que entravam as sacerdotisas da Antiguidade seriam induzidos pela datura e outras plantas que ardiam nos templos.

De acordo com Paracelso, a soturna datura é regida pelo planeta Saturno.

Plínio e Teofrasto falam dela, uma planta que bem doseada e misturada com outras ervas provocava sonhos amenos e atenuava o sofrimento dos enfermos.

Os efeitos da intoxicação por datura manifestam-se através da secura da boca e das mucosas, dado o efeito anticolinérgico dos seus alcalóides, náuseas, vómitos, tonturas, sensação de deixar cair tudo das mãos, mesmo que não se esteja a segurar em nada, ao que se seguem fortes alucinações psicadélicas e só depois imagéticas, tanto agradáveis como infernais, dependendo do inconsciente de cada um; visão dupla e sensação de metamorfose, o que valida os efeitos da poção de Circe que transformava os homens em animais. Este narcótico tem o poder de criar delírios conscientes e de induzir grandes discursos políticos e religiosos. Três gramas desta planta, folhas ou flores, podem desencadear a morte. Não se lhe conhece nenhum verdadeiro antídoto, apenas a chamada «erva-espanta-diabos», Phagnalon saxatile ou P. rupestre, é susceptível de acalmar e neutralizar até certo ponto os seus efeitos, dado o seu valor colinérgico.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Solanáceas com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Uma resposta a Figueira-do-inferno (Datura stramonium L.)

  1. Jorge Nunes diz:

    Muito cuidado com esta planta . Tenho um primo que quando era criança ingeriu sementes desta planta onde ficou intoxicado. Se não é uma intervenção medica muito rápida com uma lavagem ao estomago pois não teria qualquer hipótese de sobrevivência.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s